top of page

Descubra A Alma da Costa do Sol Pedalando: O CicloEcoturismo TE ESPERA!

Para você que está cansado da mesmice e deseja uma imersão inesquecível e sustentável, conheça a beleza do Cicloecoturismo com a bióloga, condutora ambiental credenciada pelo INEA e especialista em ecologia e biodivesidade, a professora Elizabeth Franco!

Explore a biodiversidade com um novo olhar e conecte-se com a natureza e comunidades locais para viver experiências profundas e impactantes!


Curiosidade Sobre a Bicicleta

Vamos iniciar o nosso texto com uma curiosidade sobre a primeira bicicleta reconhecida que foi desenvolvida por um barão alemão chamado Karl Von Drais, em 1817, e foi batizada de “máquina de correr”, tendo sido feita de madeira sendo impulsionada pelos pés no chão. Ela foi criada para ajudar o transporte de comida da população dessa época que passara por extremas dificuldades em 1816, o tal “ano sem verão”, onde cavalos destinados a essa

função morreram. A partir de então, se torna popular e passa a ser utilizada também como transporte servindo na mobilidade humana.


Fonte: Museu da Bicicleta
MÁQUINA DE CORRER - A bicicleta criada pelo barão alemão Karl von Drais, de 1817

O Primeiro Clube de Ciclistas do Brasil

Com a popularização da bicicleta, o primeiro Clube ou Agremiação voltado para o ciclismo no Brasil surge em Curitiba, no ano de 1895, através de Imigrantes alemães, sendo chamado de Clube de Ciclistas de Curitiba. Após isso, é possível imaginar que o casamento entre a bicicleta e ser humano se torna algo especial, tendo em vista que as bikes se tornam as pernas para locomoção fazendo com que o indivíduo passe a interagir com o ambiente o qual transita e fornecendo saúde ao corpo e à mente. Não demora muito para

que as cicloviagens e o cicloturismo aconteçam, pois a viagem sobre duas rodas se torna econômica, prazerosa, saudável e marcante. O Cicloturismo chega com a ideia de viagem de um ponto de partida a um ponto de chegada, onde no caminho, o ciclista interage com o meio e as pessoas, podendo passear entre cidades com pernoites ou até mesmo na própria cidade através de passeios ciclísticos, desenvolvendo o turismo das regiões e os cicloviajantes começam a surgir, com um viés similar ao cicloturismo, com a diferença de

levarem em suas bicicletas mantimentos e acessórios suficientes para acampar, se alimentar e pernoitar em lugares diversos.


Fonte: Federação Paulista de Ciclismo
Inauguração da Fábrica da Caloi

No decorrer dos anos, na década de 1980 em paralelo às discussões ambientais nas convenções, buscou-se aliar o desenvolvimento com a conservação ambiental, surgindo dessa forma um termo corretamente político para reduzir o turismo predatório (de massa): o Ecoturismo, que busca lugares remotos naturais, paisagens bucólicas e simplórias entrelaçadas com culturas e hábitos das comunidades dos locais, sejam florestas, regiões costeiras ou outros ecossistemas gerando visitas às áreas protegidas com caráter mais

educativo, consciente e científico, desempenhando um papel de educação ambiental associado ao turismo conscientizando os visitantes sobre a preservação do meio.


Cicloecoturismo

O termo Cicloecoturismo começa a aparecer em torno de 2014, através do trabalho da Universidad Autónoma del Estado de México Facultad de Geografía, onde são sugeridos ótimas zonas para a prática de ciclismo de montanha e cicloecoturismo, tendo sido adotado também pelo ciclista Carlos Rocha do Chile, em 2016.



Cicloecoturismo na Costa do Sol

Na região Costa do Sol, lanço esse termo no ano de 2021 durante uma matéria da Record sobre o Cicloecoturismo que ganha mais adeptos, onde relato a minha segunda cicloviagem regional.


Cicloecoturismo e Suas Vertentes

Podemos ver o cicloecoturismo por duas frentes: uma ferramenta de pesquisa para uso da educação ambiental ou como cicloturismo com interpretação ambiental para visitantes o que a guia de turismo Izabela Madureira do Amapá vem desenvolvendo com muita dedicação após assistir essa matéria da Record e tendo tempos após me encontrado virtualmente e me contactado para trocas de ideias.


Projeto Jornada Circuito Biodiversidade Costa do Sol

Foi a partir da pesquisa que realizo na região desde 2009, que um grande amigo historiador de Cabo Frio, o Pierre de Cristo, me presenteia em dezembro de 2016 com uma bicicleta MTB para incentivar mais minhas pesquisas e registros, a qual passo me adaptar a ela e a adaptar nela equipamentos para futuras pesquisas com viagens mais estendidas. Em 2017

sofro um acidente lesionando ombro esquerdo e nervos intercostais do lado direito o que atrapalha um pouco meus planos, porém, após treinar arduamente o corpo para resistência e após registrar cidades mais próximas nasce o projeto: Jornada Circuito Biodiversidade Costa do Sol e adjacências em 2020, fazendo então a união do cicloturismo com o ecoturismo com pequenas cicloviagens em torno de 12 a 16 dias na estrada para acampar, registrar fauna e flora, observar o meio, conhecer reservas naturais, realizar trilhas caminhando nas matas e orlas, conhecer culturas e realizar lives para mostrar lugares e biodiversidade como forma de interpretação ambiental virtual tendo seguidores, amigos e curiosos participando em tempo real, onde acompanhavam e acompanham minhas jornadas juntas a Darwin (minha fiel bicicleta) mostrando as belezas naturais de nossa região. Com o tempo, várias pessoas passaram a ir conhecer locais próximos ricos em natureza respeitando o meio, seja de carro, de ônibus ou bicicleta, tendo inclusive, adquirido esse meio de transporte com incentivo de minhas cicloviagens.


Arquivo Pessoal
Professora Elizabeth Franco

Através do Cicloecoturismo que venho desenvolvendo na região, muitos guias de turismo, turismólogos, moradores, curiosos, visitantes e professores foram beneficiados direta ou indiretamente, juntamente com o levantamento da Biodiversidade Costa do Sol e Caminhos da Mata, onde está sendo gerado o livro para posterior publicação. Podemos perceber que a bicicleta aliada ao conhecimento de orientação, manutenção, planejamentos e a busca pela saúde seja mental ou física se tornam ferramentas para o Cicloecoturismo em nossa região viabilizando passeios para quem curte a natureza, acampamentos, hostels, chalés, trilhas e praias, sendo dessa forma mais econômico que o Cicloturismo e desenvolvendo uma consciência ambiental mais profunda nessas pessoas.


Pequena biografia:

Professora Elizabeth dos Santos Azeredo Coutinho Franco, conhecida como Elizabeth Franco, é docente da Educação Básica e de cursos preparatórios, Bióloga, especialista em Ecologia e Biodiversidade, Condutora Ambiental credenciada pelo Inea para atuar no Parque Estadual da Costa do Sol, Gerente da BBT Adventures - Educação Ambiental com trilhas, palestras, aulas de campo, oficinas e minicursos, Artista plástica, Agente Cultural e pedala desde os 9 anos de idade, tendo iniciado passeios ciclísticos solitários na região dos

Lagos aos 15 anos de idade.


Fontes:



Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page